Categories

Most Viewed

TED Talks

O guia oficial do TED para falar em público, escrito por Chris Anderson, o ex-editor chefe da Wired que comprou e hoje é o principal curador da plataforma de palestras  

Ideias centrais:

1 – A tese central deste livro é que qualquer um com uma ideia digna de ser divulgada é capaz de realizar uma palestra eficaz. A única coisa de fato importante ao se falar em público não é a autoconfiança ou o dom de “falar bem”. É ter algo importante a dizer. 

2 – Para realizar uma palestra eficaz, você precisa diminuir a gama de assuntos abordados, reduzindo-a a um fio único e coeso – uma linha mestra que possa ser desenvolvida de modo adequado. Em certo sentido, você cobrirá menos pontos, mas o impacto será bem maior. 

3 – Existem dois tipos de teste: o humano e o técnico. Para o humano, recomenda-se que você teste a apresentação – sobretudo os slides – com parentes e amigos que não trabalhem em sua área. Depois pergunte o que entenderam ou não ou se têm alguma pergunta a fazer. 

4 – Procure “amigos” na plateia. No começo da palestra, procure rostos que lhe pareçam simpáticos. Se encontrar três ou quatro em pontos diferentes da plateia, dirija a eles sua palestra. Se encontrar amigos de verdade, melhor ainda. 

5 – A maneira mais simples de dar uma palestra eficiente é ficar de pé, distribuir o peso do corpo igualmente nas duas pernas – mantendo os pés um pouco afastados –e usar as mãos e os braços para amplificar o que está dizendo com naturalidade. Depois é só acolher os aplausos. 

Sobre o autor: 

Chris Anderson é presidente e curador-chefe do TED. Atuou como jornalista depois de se formar na Universidade de Oxford e lançou mais de cem revistas e sites antes de voltar sua atenção para o TED, comprado por ele e sua organização sem fins lucrativos em 2001. 

Prólogo 

Este livro tem um duplo objetivo: primeiro, explicar como se realiza o milagre do ato de falar em público com eficiência; e, segundo, ajudar você a fazê-lo da melhor maneira possível. Entretanto, cumpre destacar uma coisa logo de início. Não existe uma única maneira de dar uma palestra de alto nível. O mundo do conhecimento é amplo demais, e a gama de palestrantes e de plateias, demasiado variada. Qualquer tentativa de aplicar uma fórmula predefinida provavelmente será um tiro pela culatra. O público percebe isso na hora e se sente manipulado. 

Então, não julgue os conselhos deste livro como regras que prescrevem uma forma única de falar. Em vez disso, pense que o livro está lhe oferecendo um conjunto de ferramentas que buscam incentivar a variedade. Utilize as que sejam convenientes para você e para a palestra que vai dar. Suas únicas obrigações reais ao dar uma palestra são ter algo importante a comunicar e se mostrar autêntico à sua maneira. 

No século XXI, a competência comunicativa deveria ser ensinada em todas as escolas. Na verdade, antes da era dos livros, ela era considerada parte essencial da educação, embora com um nome antiquado: retórica. Hoje, na era da conexão, deveríamos ressuscitar essa nobre arte e torná-la uma das bases da educação: leitura, escrita, matemática… e retórica. 

A palavra “retórica” significa simplesmente “a arte de falar com eficácia”. É esse o tema fundamental deste livro. Reformular a retórica para a era moderna. Proporcionar contribuições úteis para uma nova competência comunicativa. 

Nossa experiência com o TED no decurso dos últimos anos pode ajudar a apontar o caminho. O TED começou como uma conferência anual, com palestras nos campos de Tecnologia, do Entretenimento e do Design (daí o nome). Nos últimos anos, porém, o programa se expandiu e passou a cobrir qualquer tópico de interesse público. Os palestrantes procuram difundir suas ideias entre pessoas que não atuam em seu campo, e para isso realizam palestras breves preparadas com todo cuidado. Para nossa satisfação, essa forma de falar em público se mostrou um retumbante sucesso online: hoje as Conferências TED contabilizam mais de um bilhão de visualizações por ano.  

FUNDAMENTOS 

Subir num palco quando centenas de pares de olhos estão pregados em você é aterrorizante. Você sente pavor de se levantar numa reunião da empresa e apresentar seu projeto. E se entrar em parafuso e tropeçar nas palavras? E se esquecer totalmente o que pretendia dizer? Isso poderá criar uma situação humilhante. Ou até pôr fim à sua carreira. E, quem sabe, a ideia em que você acredita nunca seja divulgada. 

Participantes de Conferências TED nos contaram episódios maravilhosos sobre o impacto de suas palavras. Às vezes ocorrem propostas para livros e filmes, bem como ofertas inesperadas de apoio financeiro. Contudo, as histórias mais interessantes estão ligadas à promoção de ideias e de mudança de vida. Amy Cuddy fez uma palestra extremamente popular sobre como a mudança de linguagem corporal pode aumentar a autoconfiança. Ela recebeu mais de quinze mil mensagens, vindas de gente do mundo todo, contando como tinha sido beneficiada. 

Conto agora um caso pessoal. Quando assumi o comando do TED, no fim de 2001, me recuperava do quase colapso da empresa que eu passara quinze anos construindo. Estava apavorado com a possibilidade de outro enorme fracasso público. Vinha lutando para convencer a comunidade TED a apoiar minha visão do programa e temia que essa luta não fosse dar em nada.  

Falei de coração aberto, com o máximo de franqueza e convicção. Disse que acabara de sofrer um violento malogro comercial. Que tinha passado a me considerar um completo fracassado. Que o único caminho que me permitira sobreviver mentalmente tinha sido mergulhar no mundo das ideias. Que o TED havia passado a significar tudo para mim – pois se tratava de um espaço ímpar em que era possível compartilhar ideias de todas as disciplinas. Que eu faria tudo ao meu alcance para preservar seus melhores valores. Que, em todo caso, o programa nos havia proporcionado tanta motivação e tantos subsídios que não podíamos deixá-lo morrer, certo? 

Para meu total espanto, ao fim da palestra, Jeff Bezos, presidente e CEO da Amazon, que estava sentado ao meio da plateia, ficou de pé e começou a aplaudir. E todos os demais o acompanharam. Foi como se a comunidade TED houvesse decidido coletivamente em poucos segundos que, afinal, apoiaria esse novo capítulo do programa. Então, no intervalo de sessenta minutos que seguiu, cerca de duzentas pessoas se comprometeram a se inscrever para o ciclo de palestras do ano seguinte, garantindo seu sucesso. 

Comece com a ideia. A tese central deste livro é que qualquer um com uma ideia digna de ser divulgada é capaz de realizar uma palestra eficaz. A única coisa de fato importante ao se falar em público não é a autoconfiança, a presença de palco ou aquilo que se costuma chamar de “falar bem”. É ter algo de importante a dizer. 

Estou empregando a palavra “ideia” num sentido bem amplo. Ela não precisa ser um avanço científico, uma invenção genial ou uma teoria jurídica complexa. Pode ser um conjunto de instruções simples de como fazer algo. 

Quarta-Feira de Aprendizado. Em 2015, fizemos uma experiência na sede do TED. A cada duas semanas, dávamos a todos os membros da equipe um dia de folga para se dedicar a estudar determinado assunto. Chamamos esse dia de Quarta-Feira de Aprendizado. A ideia era de que, como a organização está voltada para o aprendizado contínuo, durante toda a vida, devemos praticar o que pregamos e incentivar todos os integrantes da equipe a dedicar um tempo a estudar o que lhes interessa. Mas como evitávamos que essa quarta-feira se tornasse apenas um dia sem nada para fazer, passado diante da TV? Bom, havia mais uma coisinha: todos tinham de se comprometer a realizar, em algum momento do ano, uma palestra no estilo TED sobre aquilo que aprenderam para o restante da organização. Tudo bem, mas você não precisa de uma quarta-feira especial para aprender a falar. Fale diante de grupos que o respeitam e verá que pode obter progressos.  

O princípio fundamental é lembrar que o palestrante deve fazer uma doação a seus ouvintes e não tirar algo deles. As pessoas não vão a uma conferência para escutar argumentos de venda. Quando percebem que talvez seja esta a intenção do palestrante, elas fogem para a segurança de suas caixas de e-mails. É como aceitar o convite de uma amiga bancária para tomar um café e perceber, com grande irritação, que ela quer mesmo é convencer você a aplicar dinheiro em um plano de capitalização. 

No primeiro ciclo de palestras TED que organizei, um dos oradores começou a falar assim: “Enquanto eu vinha de carro para cá, pensando no que diria a vocês…” E seguiu-se uma série de observações dispersas sobre futuros possíveis. Nada de muito enfadonho ou especialmente difícil de entender. Mas nenhuma argumentação instigante, nenhuma revelação, nada foi assimilado. Muitas palestras são assim. Sinuosas, sem direção clara. Um palestrante pode se iludir e se convencer de que mesmo uma exploração desordenada de suas ideias brilhantes será fascinante para a plateia. Mas iludir oitocentas ou mais pessoas é mais complicado e… inútil. 

O objetivo de uma palestra consiste em dizer algo significativo; é impressionante o número de palestras que não atingem esse objetivo. De fato, muitas coisas são ditas nelas. Mas, por um ou outro motivo, a plateia não recebe nada que possa levar consigo. No entanto, há meios para cativar o público. Um bom exercício consiste em resumir sua linha mestra em não mais que quinze palavras. E elas precisam oferecer um conteúdo vigoroso. Não basta pensar em sua meta em termos de “quero motivar a plateia” ou “quero obter apoio para o meu trabalho”. Sua linha mestra precisa ter mais foco do que isso. Veja algumas linhas mestras de Conferências TED bem-sucedidas: 

  • O potencial da educação se transforma quando nos concentramos na extraordinária (e hilariante) criatividade infantil. 
  • Uma história do universo em dezoito minutos mostra um caminho do caos à ordem. 
  • A combinação de três tecnologias simples cria um sexto sentido assombroso. 
  • Quase morri num trekking no polo sul, e isso mudou minha noção de propósito. 

Entretanto, uma linha mestra que ligue muitos conceitos não funciona. Há uma consequência grave quando você passa muito depressa por diversos assuntos: eles não causam impacto. Você conhece o pano de fundo e o contexto do que está dizendo, por isso as informações lhe parecem mais que suficientes. No entanto, a plateia está tendo contato com seu trabalho pela primeira vez. Por isso, a palestra provavelmente parecerá fragmentada, árida ou superficial. 

O jeito certo. Para realizar uma palestra eficaz, você precisa diminuir a gama de assuntos abordados, reduzindo-a a um fio único e coeso – uma linha mestra que possa ser desenvolvida de modo adequado. Em certo sentido, você cobrirá menos pontos, mas o impacto será substancialmente maior. 

O palestrante TED com mais visualizações na internet na época em que este livro foi escrito era Sir Ken Robinson. Segundo ele, em geral suas palestras seguem uma estrutura simples: 

  1. Introdução – apresentação, o que será exposto 
  1. Contexto – por que a questão é relevante 
  1. Conceitos principais 
  1. Implicações práticas 
  1. Conclusão 

FERRAMENTAS DA PALESTRA 

Ouvir uma palestra é algo completamente diferente de ler um ensaio. Não se trata apenas das palavras, mas, sim, da pessoa que as pronuncia. Para que causem espanto, é necessário haver harmonia humana. Você pode dar uma palestra brilhante, com explicações cristalinas e uma lógica inatacável, porém, se antes de tudo não entrar em sintonia com o público, ela não cumpre sua finalidade. Mesmo que o conteúdo seja entendido até certo ponto, ele não será ativado, mas arquivado em alguma pasta mental prestes a ser esquecida. 

No TED, nosso conselho número um aos oradores, no dia da apresentação, é fazer contato visual regularmente com a plateia. Demonstre calor humano. Demonstre veracidade. Não tente ser outra pessoa. Isso vai fazer com que confiem em você, gostem de você e comecem a compartilhar sua paixão. 

Com efeito, para muitos dos grandes oradores, o humor tornou-se uma arma poderosa. A palestra de Sir Ken Robinson sobre o fracasso das escolas em incentivar a criatividade, que até 2015 estava chegando perto de 35 milhões de visualizações, ocorreu no último dia do ciclo de apresentações. Ele começou assim: “Foi bem legal, não foi? Fui chutado de escanteio. Na verdade, estou indo embora.” A plateia deu umas risadinhas. E não parou mais. A partir de então, ele nos conquistou. O humor afasta a principal resistência a ouvir uma palestra. Ao fazer pequenas concessões ao riso desde o início, você estará sutilmente animando seu público… vamos nessa, meus caros amigos. Vai ser um barato. 

Plateias que riem passam logo a gostar do orador. E ao gostar do orador estarão muito mais dispostas a levar a sério o que é dito. O riso derruba as defesas, e de repente você tem a chance de se comunicar de verdade com o público. 

O fogo criou um novo estímulo aos vínculos sociais. O calor e a luz uniam as pessoas ao cair da noite. Isso parece ter ocorrido em todas as culturas antigas de caçadores e coletores ao longo dos últimos trezentos mil anos. E o que eles faziam durante o tempo que passavam juntos? Aparentemente, uma forma de interação social passou a predominar em muitas culturas: a narração de histórias. 

Simplifique o foco. Algumas das melhores palestras são montadas em torno de uma única história. Essa estrutura gera enormes benefícios para o palestrante: 

  • Cria a linha mestra. (É simplesmente o arco narrativo da história.) 
  • Se a história for envolvente, você obtém uma reação interna da plateia. 
  • Caso a história seja a seu respeito, você cria empatia em relação a algumas coisas pelas quais mais preza. 
  • Você não esquece o que vai dizer porque a estrutura é linear; e para seu cérebro é muito fácil lembrar fatos em sequência. 

O jornalista Malcolm Gladwell também se especializou em parábolas, e o apelo dessa forma de história se reflete nas vendas impressionantes de seus livros e no alto número de visualizações de suas palestras. Sua palavra mais vista, acredite ou não, é uma história sobre a criação de formas de molho de espaguete. Mas ele a usa como uma parábola para a ideia de que as pessoas desejam coisas muito diferentes, mas muitas vezes não têm palavras para expressar o que querem, até você lhes fazer as perguntas certas. 

Sintonia, narração, explicação, persuasão… todas elas são ferramentas vitais. No entanto, qual é a maneira mais direta de apresentar sua ideia a um auditório? 

Simplesmente mostrando. 

Muitas palestras se baseiam nesse modelo. Você revela seu trabalho à plateia de maneira agradável e inspiradora. O nome genérico disso é revelação. Numa palestra baseada em revelação, você pode: 

  • Mostrar uma série de imagens de um projeto artístico novo e ir falando sobre ele. 
  • Fazer uma demonstração de um produto que inventou. 
  • Descrever uma visão de cidade autossustentável do futuro. 
  • Mostrar cinquenta fotos surpreendentes de sua viagem recente à floresta amazônica. 

Mas as caminhadas maravilhosas funcionam quando há um tema claro ligando os passos, algo mais forte do que uma mera sucessão de exemplos recentes de sua obra. Sem isso, esse tipo de palestra pode facilmente se tornar entediante. “Agora vamos ver meu próximo projeto” é uma linha de transição sem graça que convida o público a se remexer na cadeira. Ao mostrar uma ligação, ela ganha muito em força: “Este próximo projeto retoma a ideia e a supera em vigor…” 

No TED, a maior parte da palestra é feita numa linguagem mais coloquial. No entanto, a capacidade de pintar um quadro atraente do futuro é um dos maiores presentes que um orador pode oferecer. Com efeito, os oradores capazes de mostrar uma paisagem de sonho estão entre os mais emocionantes do TED. Eles não falam do mundo como é, mas como poderia ser. A sensação de possibilidade gerada por uma paisagem de sonho bem-feita é capaz de fundir mentes e fazer corações baterem mais forte. 

PROCESSO DE PREPARAÇÃO 

Fotografias, ilustrações, tipografia adequada, gráficos, infográficos, animações, vídeos, áudios e simulações de dados: todos estes elementos podem reforçar tanto o nível informativo quanto o apelo estético de uma palestra. 

No entanto, a primeira pergunta a se fazer é: há mesmo necessidade de usar algum desses recursos? É notável o fato de que pelo menos um terço das Conferências TED mais vistas na internet não conta com um slide sequer. 

Com certeza, não se trata de uma disputa pela atenção entre a tela e o orador. Muitas vezes, o que se mostra na tela ocupa uma categoria mental diferente do que está sendo dito. Um caso de estética versus análise, por exemplo. Não obstante, se a essência de sua palestra for intensamente pessoal, ou se você dispõe de outros meios para avivá-la – como humor ou histórias interessantes – talvez convenha deixar de lado os recursos visuais e se concentrar apenas em falar ao público em tom pessoal. 

E para todos os palestrantes, o princípio a seguir é sempre válido; melhor não usar slide algum a usar slides ruins. 

Dicas sobre software. Em 2016, são três as principais ferramentas para apresentações: PowerPoint, Keynote (para Mac) e Prezi. O PowerPoint é a mais comum, embora eu ache que o Keynote é mais fácil de usar e tem fontes tipográficas e elementos gráficos melhores. O Prezi (aplicativo do qual o TED foi um dos primeiros investidores) conta com uma modalidade alternativa na qual, em vez de uma sucessão linear de slides, você se movimenta numa paisagem bidimensional, dando mais ou menos zoom no que lhe interessa. 

Existem dois tipos de teste: o humano e o técnico. Para o humano, recomendo que você teste a apresentação –sobretudo os slides – com parentes e amigos que não trabalhem em sua área. Depois pergunte o que entenderam, o que não entenderam e se têm alguma pergunta a fazer. Os testes são fundamentais, sobretudo no caso de assuntos muito técnicos. 

O teste técnico também é fundamental. Eu tenho um controle remoto Kensington que pode ser plugado na entrada USB do seu computador, de modo que posso clicar durante a palestra, tal como faria no palco. Os slides são nítidos e claros? As transições estão rápidas o bastante? As fontes estão corretas? Os vídeos estão sendo bem reproduzidos? Há problemas técnicos de qualquer natureza? E passar sua palestra várias vezes ajudará a saber se ela está ok. 

Há alguns anos, o TED era bem rígido quanto às regras das palestras: nada de púlpito. Nunca leia sua palestra. E, em geral, essas regras faziam sentido. As pessoas reagem bem à vulnerabilidade de um orador que fica ali desprotegido, sem púlpito, falando de memória. É a forma mais pura de comunicação pessoal. 

Mas a variedade também tem a sua força. Se todo palestrante ficasse no meio do palco, enunciando com clareza vibrante uma palavra perfeitamente decorada, logo a plateia se cansaria. Quando um grupo de pessoas se mobiliza para uma semana de palestras, os oradores mais impactantes são os que fazem as coisas de um modo diferente. Se todos falarem sem roteiro, o professor excêntrico que lançar olhadelas de esguelha a um púlpito para ler a palestra poderá muito bem ser o único a ficar na lembrança. 

E, acima de tudo, o que importa é que os oradores se sintam à vontade e confiantes, fazendo sua apresentação do modo que melhor lhes permita focar no assunto que os entusiasma. 

Vantagem do roteiro. A maior vantagem de optar pelo roteiro é poder fazer o melhor uso possível do tempo. Pode ser dificílimo condensar tudo o que você quer dizer em dez, quinze ou dezoito minutos. Se houver necessidade de explicações complicadas, ou passos importantes em seu processo de persuasão, talvez seja indispensável selecionar cada palavra e ajustar à perfeição cada frase ou parágrafo. A palestra roteirizada tem outra vantagem: podemos compartilhá-la antecipadamente. Adoramos quando os palestrantes nos mandam um esboço do que vão dizer dois meses antes do ciclo de palestras. Isso nos dá tempo de comentar quais elementos podem ser cortados e quais talvez precisem de explicação mais detalhada. 

Para dizer a verdade, o velho método das fichas com breves anotações escritas à mão ainda é uma forma aceitável de manter o fio da meada. Use palavras que evoquem frases fundamentais, ou falas que façam avançar para o próximo passo da palestra. 

Uma coisa a levar em conta é que o público não se importa se você fizer uma pausa para tomar pé da situação. Talvez você sinta algum desconforto. Eles, não. O segredo é relaxar. Quando o astro dos DJs Mark Ronson participou do TED2014, foi exemplar a esse respeito. Em dado momento ele se perdeu, mas simplesmente sorriu, foi até uma garrafa de água, bebeu um gole, disse ao público que aquela era sua muleta mental, examinou suas anotações e bebeu outro gole de água. Quando recomeçou, todos estavam gostando dele mais do que nunca. 

Seja qual for seu modo de falar, existe um instrumento bem simples e óbvio que pode melhorar sua palestra, mas que a maioria dos oradores raramente usam: ensaiar. Muitas vezes. 

Os músicos ensaiam antes de tocar. Os atores ensaiam antes de as portas do teatro se abrirem ao público pagante. No caso da palestra, o que está em jogo é tanto ou mais do que em qualquer concerto ou peça, ainda que muitos oradores ajam como se achassem que podem simplesmente subir ao palco, que tudo dará certo de primeira. É por isso que, volta e meia, simplesmente porque alguém não se preparou de forma adequada, centenas de ouvintes precisam suportar minutos intermináveis de uma aflição desnecessária. Lamentável. 

O maior comunicador corporativo dos últimos tempos, Steve Jobs, não chegou lá apenas com talento. Dedicou horas a cuidadosos ensaios para lançar cada produto importante da Apple. Ele era obcecado pelo detalhe. 

Resumo da ópera: 

  • Para uma palestra importante, ensaiar diversas vezes é fundamental, de preferência diante de pessoas de confiança. 
  • Trabalhe nela até que caiba com folga no tempo que lhe deram e insista no feedback sincero da plateia do ensaio. 
  • Seu objetivo é chegar a uma palestra cuja estrutura se torne algo internalizado, para assim poder se concentrar no conteúdo do que está dizendo. 

Aguçar a curiosidade é a ferramenta mais versátil que você tem à disposição para garantir a atenção da plateia. Se o objetivo da palestra é incutir uma ideia na mente dos ouvintes, a curiosidade funciona como combustível que dá energia à participação ativa deles. 

Como provocar a centelha da curiosidade? A maneira mais óbvia é fazer uma pergunta. Mas não qualquer pergunta. Precisa ser uma pergunta surpreendente. 

Como construir um futuro melhor para todos? Amplo demais. Clichê demais. Já fiquei entediado. 

Como foi que esta menina de catorze anos, com menos de duzentos dólares na conta bancária, fez sua cidade dar um gigantesco salto para o futuro? Agora, a história mudou. 

É correto poupar as grandes revelações para o meio ou para o fim da apresentação. Nas frases de abertura, seu único objetivo é dar ao público um motivo para sair da zona de conforto e seguir sua espantosa expedição de descoberta. 

Como lembra J. J. Abrams em sua palestra sobre a força do mistério, muito do impacto de Tubarão se deve a uma escolha do diretor Steven Spielberg, que manteve o monstro oculto durante toda a primeira metade do filme. É claro que você sabia que ia vê-lo, mas a invisibilidade manteve a tensão. 

NO PALCO 

Vale a pena ensaiar a palestra usando a roupa que vestirá no dia. Eu me lembro de uma palestrante cuja roupa saiu do lugar no início da apresentação. As alças do sutiã caíram e ficaram penduradas nos braços durante a palestra. Nossos editores de imagem conseguiram fazer uma mágica, então no vídeo não se nota, mas isso seria evitado com um ensaio com figurino e alfinetes. 

Repito: o mais importante é usar algo que reforce sua segurança. Isso é algo que se pode resolver com antecedência. E vai ser uma coisa a menos com que se preocupar e a mais para trabalhar a seu favor. 

Use o medo como motivação. E para isso que ele serve. Assim, fica mais fácil você se comprometer de verdade a ensaiar a palestra quantas vezes forem necessárias. Sua segurança vai aumentar, o medo vai diminuir, e a palestra será melhor. 

Deixe seu corpo ajudar. Antes de subir ao palco, há uma série de coisas importantes a fazer que ajudam a contornar a descarga de adrenalina. A mais importante é respirar. Respirar fundo, como na meditação. O oxigênio acalma. Você pode fazer isso até na plateia, enquanto aguarda seu chamado. Inspire fundo, pelo diafragma, e deixe o ar sair devagar. Repita três vezes. Se estiver fora da vista do público e sentir a tensão tomar conta do corpo, convém experimentar exercícios físicos mais vigorosos. 

Procure “amigos” na plateia. No começo da palestra, procure rostos que lhe pareçam simpáticos. Se encontrar três ou quatro em pontos diferentes da plateia, dirija a eles sua palestra, olhando de um para outro. Todos perceberão a sintonia, e o incentivo que você vai descobrir nesses rostos lhe dará calma e segurança. Talvez você consiga levar alguns de seus amigos de verdade ao auditório. Fale para eles. (Além do mais, falar aos amigos também ajuda a encontrar o tom mais adequado.) 

Talvez suas anotações não caibam numa única ficha. Você quer se lembrar de cada transição de slide, dos exemplos que acompanham cada tópico principal ou do texto exato do encerramento. Nesse caso, o melhor pode ser usar um conjunto de fichas e folhear uma a uma. Convém prendê-las com um clipe para evitar que saiam da ordem em caso de queda. Essas fichas são quase imperceptíveis e permitem checar em que ponto da palestra você se encontra. O único inconveniente é precisar consultá-las  poucas vezes e, quando quiser encontrar um tópico, ter de passar por cinco ou seis fichas para chegar ao que procura. 

Um dos motivos pelos quais me encantei com o TED foi o fato de perceber que as palestras feitas de forma correta podiam proporcionar algo mais que simplesmente não se pode extrair da palavra impressa. No entanto, isso não cai do céu nem vale para todos os casos. É preciso pensar nesse algo mais, investir nele, desenvolvê-lo. É preciso conquistá-lo. 

Mas o que é esse algo mais? É a dimensão humana que transforma informação em inspiração. Seguem-se alguns efeitos que essa dimensão extra pode atuar: 

  • Sintonia: Eu confio nessa pessoa. 
  • Envolvimento: Cada frase parece tão interessante. 
  • Curiosidade: Eu percebo o que você quer dizer em sua voz e vejo em seu rosto. 
  • Convicção: Quanta determinação nesse olhar 
  • Ação: Quero fazer parte do seu grupo. Conte comigo. 

Use o corpo. A maneira mais simples de dar uma palestra eficiente é ficar de pé, distribuir o peso do corpo igualmente nas duas pernas – mantendo os pés um pouco afastados – e usar as mãos e os braços para amplificar o que está dizendo com naturalidade. Se a disposição da plateia for um pouco curva em relação ao palco, gire um pouco a cintura para se dirigir às diferentes partes. Não há necessidade alguma de ficar andando de lá para cá. Essa escolha pode transmitir serenidade e autoridade; é o método usado pela maioria dos palestrantes do TED, entre eles, Sir Ken. O essencial é relaxar e deixar que a parte superior do corpo se movimente à vontade. 

Entrevista ilustrada. Uma entrevista pode ser uma boa alternativa a uma palestra. Ela lhe dá oportunidade de fazer duas coisas: 

  • Explorar diversos tópicos sem que haja uma linha mestra única, a não ser a vida e a atividade do palestrante; e 
  • Incentivar o orador a ir mais fundo do que normalmente iria numa palestra convencional. (Isso ocorre sobretudo com oradores de elevada notoriedade, cujas apresentações públicas em geral são escritas por seu departamento de comunicação.) 

No TED, temos experimentado um formato de entrevista que estimula a preparação tanto do entrevistador quanto do entrevistado, ao mesmo tempo que dá margem para a manifestação entusiástica de opiniões diferentes, algo comum nas entrevistas tradicionais. Trata-se de uma conversa acompanhada por uma sequência de imagens preparada de antemão por ambos. 

De um modo geral, desaconselhamos apresentações feitas por mais de um palestrante. Por um motivo ou outro, a plateia parece ter mais dificuldades para entrar em sintonia com mais de um orador no palco. As pessoas não sabem para quem olhar e podem acabar não se ligando profundamente a nenhum deles. Contudo, há ocasiões em que a interação entre os palestrantes cria um efeito vívido e autêntico. Foi o que aconteceu quando Beverly e Dereck Joubert escreveram o trabalho que realizaram durante toda a vida com leopardos e outros felinos selvagens: o afeto e o respeito evidentes entre os dois comoveram o público. 

Mais sobre o TED 

June Cohen juntou-se ao nosso grupo de novatos, e nós nos empenhamos no que parecia ser a estratégia lógica para partilhar mais amplamente o conteúdo do TED: levá-lo à televisão. Todas as palestras realizadas até então tinham sido gravadas em vídeo, e, com tantos canais a cabo, sem dúvida alguém se interessaria em veicular uma apresentação semanal. Produzimos um piloto, em junho de 2005, o qual exibimos animadamente para quem quisesse vê-lo. O veredicto retumbante do mundo da TV: indiferença total. 

Em novembro de 2005, June me procurou com uma proposta radical: deixar de lado a TV por enquanto e tentar veicular os vídeos do TED pela internet. E foi assim que, em 22 de junho de 2006, as seis primeiras Conferências TED estrearam em nosso site. Na época, o ted.com recebia mil visitas diárias, na maioria para consultas a detalhes sobre apresentações passadas ou futuras. No primeiro dia, tivemos cerca de dez mil visualizações. Imaginei que, como em geral acontece com novos veículos, assim que passasse o interesse inicial, esse número logo cairia. Aconteceu o oposto. Apenas três meses depois, tínhamos alcançado um milhão de visualizações, e os números não paravam de aumentar. 

Quase dez anos depois, o interesse pelas Conferências TED se espalhou pelo mundo. Para nossa surpresa e alegria, elas se transformaram numa plataforma global para a identificação e disseminação de ideias, graças aos esforços de centenas de palestrantes, milhares de tradutores voluntários e dezenas de milhares de organizadores de eventos locais. No fim de 2015, as palestras somavam cem milhões de visualizações mensais – 1,2 bilhão por ano. 

Em 2009 começamos a oferecer uma licença gratuita a quem desejasse organizar um evento ao estilo TED em sua cidade. Empregamos nesses casos o rótulo TEDx, em que x indica que o evento é organizado de forma independente, além de remeter ao efeito multiplicador do programa. Para nossa satisfação, milhares de pessoas já organizaram eventos TEDx. Mais de 2.500 ocorrem a cada ano em mais de 150 países. 

Dica 

Você pode encontrar os eventos realizados ou candidatar-se a organizar seu próprio evento em http://ted.com/tedx

 

Resenha: Rogério H. Jönck 

Fotos: reprodução

Ficha técnica 

Título: TED Talks – O guia oficial do TED para falar em público 

Título original: TED Talks: The Official TED Guide to Public Speaking 

Autor: Chris Anderson 

Primeira edição: Intrínseca 

 

    Leave Your Comment

    Your email address will not be published.*

    Forgot Password

    Header Ad